Vivendo com Livros

Um blog voltado especificamente para os livros, meus e de outros autores. Nele pretendo colocar materiais relativos a meus livros, resenhas de livros publicados, notas de leitura e informações gerais relativas ao mundo dos livros. Podem também figurar aqui reflexões pessoais sobre esses transparentes objetos de prazer intelectual.

Minha foto
Nome:

PAULO ROBERTO DE ALMEIDA

Doutor em Ciências Sociais (Universidade de Bruxelas, 1984), mestre em Planejamento Econômico (Universidade de Antuérpia, 1977), diplomata de carreira desde 1977. Trabalhou no Núcleo de Assuntos Estratégicos da PR (2003-2007). Professor no mestrado em Direito do Uniceub e professor-orientador no mestrado em diplomacia do Instituto Rio Branco. Ministro-conselheiro na Embaixada em Washington (1999-2003), chefe da Divisão de Política Financeira e de Desenvolvimento do MRE (1996-1999), conselheiro econômico em Paris (1993-1995) e representante alterno na Delegação junto à ALADI (1990-1992). Seleção de livros: O estudo das relações internacionais do Brasil (2006); Formação da diplomacia econômica no Brasil (2005); Relações internacionais e política externa do Brasil (2004); Os primeiros anos do século XXI: o Brasil e as relações internacionais contemporâneas (2002); O Brasil e o multilateralismo econômico (1999). E-mail: pralmeida@mac.com; Website: www.pralmeida.org.

sábado, junho 23, 2007

21) Mario Vargas Llosa, um contador de historias...

THE WEEKEND INTERVIEW

Storyteller
The famous novelist on politics, and how writing can change the course of history.
BY EMILY PARKER
The Wall Street Journal, Saturday, June 23, 2007

LIMA, Peru--"This is a story that often repeated itself," Mario Vargas Llosa says. "If a father was a businessman, he was a man who had to be complicit with the dictatorship. It was the only way to prosper, right? And what happens is that the son discovers it, the son is young, restless, idealistic, believes in justice and liberty, and he finds out that his vile father is serving a dictatorship that assassinates, incarcerates, censors and is corrupted to the bone."

Mr. Vargas Llosa could have plucked this scenario from his personal recollections of living under dictatorial rule in Peru. But he tells this story to make a more universal point: Dictatorships poison everything in their grasp, from political institutions right down to relationships between fathers and sons.

When I meet Mr. Vargas Llosa in his home in Lima, I am not surprised to find that the world-famous novelist is a natural storyteller. He speaks to me in Spanish, gripping his black-rimmed glasses in his hand and occasionally waving them around for emphasis.

Mr. Vargas Llosa's bold ideas and expressive language may make him one of Latin America's finest writers--"Aunt Julia and the Scriptwriter," "The Time of the Hero" and "Conversation in the Cathedral" are just a few of his classic works--but those same traits didn't necessarily serve him well at the polls. After running for president of Peru in 1990 and losing to Alberto Fujimori, Mr. Vargas Llosa decided to devote his full attention to writing. He now lives in Lima for about three months of the year, spending the rest of his time in Europe.

"I am not going to participate in professional politics again," he says. And he doesn't have to. Mr. Vargas Llosa has found an effective way to expose the destructive nature of dictatorships, while underscoring the importance of individual liberty and free will. He just picks up his pen. "Words are acts," he says, echoing Jean-Paul Sartre. "Through writing, one can change history."

During the 1990 presidential campaign Mr. Varga Llosa emphasized the need for a market economy, privatization, free trade, and above all, the dissemination of private property. He didn't exactly receive a welcome reception. "It was a very different era, because to speak of private property, private enterprise, the market--it was sacrilegious," he says. "I was fairly vulnerable in that campaign," he continues, "because I didn't lie. I said exactly what we were going to do. It was a question of principle and also . . . I thought it would be impossible to do liberal, radical reforms without having the mandate to do them."

Now, almost 20 years later, the landscape looks very different. Mr. Vargas Llosa explains that he was propelled into politics when then-president Alan García, at the time a socialist and a populist, attempted to nationalize the banks. Today he is running the country again, but "now, the same Alan García is the champion of capitalism in Peru!" Mr. Vargas Llosa laughs merrily. "It's funny, no?"

He is relatively upbeat about Latin America today: "I'm not as pessimistic as others who believe that Latin America has returned to the time of populism, leftism." The region has its problems, to be sure, one major one coming from Caracas in the form of Venezuelan President Hugo Chávez. But according to Mr. Vargas Llosa, perhaps what is most remarkable is what Mr. Chávez has not been able to do.

"We have a big problem with Chávez," Mr. Vargas Llosa admits. "He's a demagogue and a 19th century socialist. He is a destabilizing force for democracy in Latin America, but what he thought would be so easy hasn't been so easy. There has been a lot of resistance."

One of Mr. Chávez's major errors was his refusal last month to renew the license of popular Radio Caracas Television, or RCTV. "International hostility was enormous," Mr. Vargas Llosa notes. "For me, most important was that the protests in Venezuela were very strong, in particular the sectors that were once very sympathetic to him, for example the students in the Central University of Venezuela, not only the students in the private universities."

It is such infringements of free speech that highlight why in places like Latin America, reading a good novel can be much more than just a pleasant way to spend an afternoon. "I think in countries where basic problems are still unresolved, where a society remains so traumatized by deep conflicts--as in Latin America or in Third World countries in general--the novel is not only a form of entertainment, but it substitutes for something that these societies are not accustomed to seeing--information, for example," Mr. Vargas Llosa says. "If you live in a country where there is nothing comparable to free information, often literature becomes the only way to be more or less informed about what's going on." Literature can also be a form of resistance, perhaps the only way to express discontent in the absence of political parties.

This all sounds true enough, but in a dictatorship, wouldn't literature be censored as well? "In undeveloped countries, censorship doesn't reach that point of subtlety, as it did in Spain for example," Mr. Vargas Llosa explains. "Because in undeveloped countries, the dictators are, well, functioning illiterates that don't think that literature can be dangerous."

To give one example, Mr. Vargas Llosa's first novel, "The Time of the Hero," about life at a military school in Lima, was burned publicly in Peru by a military dictatorship in the 1960s. But the authorities apparently didn't find the book enough of a political threat to ban it outright, and in the end it was Mr. Vargas Llosa who reaped the benefits of the public burning. "It became a best seller!" He exclaims, laughing.

There is another disturbing current in Mr. Vargas Llosa's work that is less often discussed--mistreatment of women, ranging from disrespect to outright violence. The abuses are particularly horrifying in "The Feast of the Goat," a novel based on the life of Rafael Trujillo, the dictator who terrorized the Dominican Republic from 1930 to 1961. Mr. Vargas Llosa describes traveling to the Dominican Republic and being stunned to hear stories of peasants offering their own daughters as "gifts" to the lustful tyrant. Trujillo and his sons, he tells me, could abuse any woman of any social class with absolute impunity. The situation in the Dominican Republic, which he refers to as a "laboratory of horrors," may have tended toward the extreme, but it underscores a larger trend: "The woman is almost always the first victim of a dictatorship."

Mr. Vargas Llosa discovered that this phenomenon was hardly limited to Latin America. "I went to Iraq after the invasion," he tells me. "When I heard stories about the sons of Saddam Hussein, it seemed like I was in the Dominican Republic, hearing stories about the sons of Trujillo! That women would be taken from the street, put in automobiles and simply presented like objects. . . . The phenomenon was very similar, even with such different cultures and religions." He concludes: "Brutality takes the same form in dictatorial regimes."

Did this mean that Mr. Vargas Llosa supported the invasion of Iraq? "I was against it at the beginning," he says. But then he went to Iraq and heard accounts of life under Saddam Hussein. "Because there has been so much opposition to the war, already one forgets that this was one of the most monstrous dictatorships that humanity has ever seen, comparable to that of Hitler, or Stalin." He changed his mind about the invasion: "Iraq is better without Saddam Hussein than with Saddam Hussein. Without a doubt."

Mr. Vargas Llosa's broad, visceral hatred of dictatorships in part stems from personal experience, in particular growing up in 1950s Peru under the dictatorship of Manuel Odría. "All the political parties were prohibited, there was strict censorship of radio and the press," he explains. "The university had many professors in exile and many student prisoners . . . this is the atmosphere in which a boy of my generation entered adulthood."

This period is the backdrop for "Conversation in the Cathedral," which Mr. Vargas Llosa said would be the work that he would rescue from a fire. The brilliant, four-volume novel rarely addresses Odría directly, rather zooming in on relationships between ordinary Peruvians from all levels of society. With unembellished prose, Mr. Vargas Llosa plunges you right into the heart of a nation without hope. "It's a novel in which I wanted to show what I lived through in through in those years, how the dictatorship didn't limit itself to censorship or prohibiting political life, no!" Mr. Vargas Llosa tells me. "The dictatorship created a system that impregnated every act of life."

And herein lies the power of Mr. Vargas Llosa's work: He finds that tyranny takes its toll in places we hadn't even thought to look. As for the value of freedom, perhaps he puts it best in "The Feast of the Goat": "It must be nice. Your cup of coffee or glass of rum must taste better, the smoke of your cigar, a swim in the ocean on a hot day, the movie you see on Saturday, the merengue on the radio, everything must leave a more pleasurable sensation in your body and spirit when you had what Trujillo had taken away from Dominicans 31 years ago: free will."

We begin to wrap up our interview. We both drink red wine. A room nearby houses Mr. Vargas Llosa's private library--I notice that some of the volumes are bound in leather. He tells me that there are more than 18,000 books. His collection is clearly a point of pride, but it is also a tangible representation of his belief in the power of words. Or as he would say it: "I think that literature has the important effect of creating free, independent, critical citizens who cannot be manipulated."

Ms. Parker is an assistant editorial features editor at The Wall Street Journal.

20) Barao do Rio Branco, por Rubens Ricupero

Um vencedor 





O texto a seguir integra o livro Barão do Rio Branco: Uma Biografia Fotográfica, da Fundação Alexandre de Gusmão, vinculada ao Itamaraty:

Por Rubens Ricupero* 



Quando Gelson Fonseca, então presidente da Fundação Alexandre de Gusmão. me pediu para escrever esta introdução, perguntei-lhe se desejava uma síntese da vida ou um estudo analítico da obra de Rio Branco. Sua resposta foi: "Procure mostrar por que o Barão é importante, o que justifica sua relevância ainda agora."
Interpretei a orientação como sendo algo a meio caminho entre o relato da vida e o exame da obra. Ou melhor, o esforço para mostrar como uma é inseparável da outra, como no fundo, a obra se confunde com a vida.
Só assim, creio, se poderia explicar ao leitor de hoje as razões da permanência e da validade dos resultados de uma política exterior concebida e executada quase cem anos atrás.
Não se trata, portanto, de tentar duplicar com palavras o que o livro vai mostrar pela imagem fotográfica. Quem tiver apetite para mais, poderá recorrer a uma das biografias relativamente recentes como a de Álvaro Lins e Luiz Viana Filho, capazes de atender plenamente à curiosidade acerca dos pormenores da origem familiar ou as vicissitudes da existência de Rio Branco.
Não se visa, tampouco, no outro extremo, a compor, com rigor acadêmico e abundância de citações, um estudo erudito e seco das idéias e do trabalho diplomático que trazem a marca do grande Chanceler.
Antes, o ideal seria ir desdobrando aos olhos do leitor, pari passu com as numerosas fotografias que lhe documentam a vida, as etapas de crescimento e maturação do pensamento e das ações de Rio Branco. Como nem tudo nessa trajetória foi passível de registro fotográfico, teremos de ir um pouco além das legendas que decifram a imagem, a fim de dar conta da articulação e do encadeamento entre a vida e a obra.
Dizer o porquê da fama persistente do Barão parece tarefa enganadoramente fácil. Como, porém, evitar a sensação do já visto e ouvido numa história contada dezenas, centenas de vezes? De que forma convencer o cético leitor atual, correspondente ao "ouvinte agudo" e sem fé temido pelo Padre Vieira, de que alguma coisa de antes da Semana de Arte Moderna de 22 possa ter valor, apesar do envoltório em linguagem e estilo tão contrastantes com o nosso gosto? De que modo seria possível, num livro destinado a celebrar os 150 anos do nascimento do segundo Rio Branco, fugir aos clichês e lugares-comuns, recusar, sobretudo quando se é diplomata de carreira, seja a atitude apologética e triunfalista dos escritores do passado, seja o impulso iconoclasta nascido da antipatia pela personalidade ou as idéias daquele a quem é dedicada a obra?
Não obstante a falsa aparência que atribuía ao Barão uma imagem unidimensional, descomplicada, sólida e de um bloco inteiro, na prática as coisas eram mais complexas. Manuel de Oliveira Lima, que o conheceu bem e o julgou sem indulgência, dizia que sua inteligência era banhada de luz mas sua alma tinha refolhos (no artigo original, os dois elementos são citados em ordem inversa)¹.
De fato, há muito de inesperado, até de paradoxal no destino de um homem que passaria os primeiros 50 dos seus 66 anos em quase obscuridade para, de repente, conquistar uma das notoriedades mais duradouras da História brasileira.
Ele desmente nisso algumas idéias engenhosas mas que, ao menos no seu caso, não resistem à prova dos fatos. Em uma de suas entrevistas, Tom Jobim afirmava que, para dar certo, Brasil precisava aprender a gostar dos vencedores. Em lugar de teimar em torcer por Garrincha, por exemplo, o brasileiro tinha afinal de começar a gostar de Pelé.
Ora, o Barão foi um vencedor por excelência, tardio se quiserem, mas certeiro e infalível. Uma vez descoberto o caminho do sucesso, dele nunca mais se desviou. Arbitragem das Missões, do Amapá, a solução para o Acre, a Terceira Conferência Americana no Rio, o Caso Panther com a Alemanha ou do telegrama número 9 com a Argentina, o primeiro cardeal sul-americano destinado ao Rio de Janeiro, tudo que tocava, virava ouro. Não é à toa que um povo humilhado e abatido pela inflação do Encilhamento e pelas atrocidades sem precedentes dos tempos de Floriano, dos degolamentos e execuções sumárias da Rebelião Federalista, pelo massacre de Canudos, já sob Prudente de Moraes, a suspeita perturbadora de que, em fim de contas, não éramos muito distintos das republiquetas sul-americanas, que o Segundo Império não fora a regra mas a exceção, que esse povo se agarrasse às vitórias de Rio Branco como anos mais tarde lançaria mão das glórias esportivas para restituir-se um pouco de auto-estima.
Essa gratidão pelas vitórias, a população começou a tributar-lhe ainda em vida, com a recepção que reservou ao seu regresso ao Rio de Janeiro para tornar-se ministro em dezembro de 1902, após 15 anos de ausência do Brasil e 26 anos de residência no estrangeiro. Foi uma das mais impressionantes manifestações de rua jamais testemunhadas pela Capital Federal, cujos cidadãos continuaram, nos anos seguintes, a multiplicar sinais de respeito e veneração ao conterrâneo Juca Paranhos, como se pode ver nas fotos onde populares se descobrem na Avenida Central à passagem de sua imponente figura, impecavelmente coberta de cartola naquele distante verão carioca.
Quase uma década mais tarde, o enterro no Caju, também num dia de verão de fevereiro de 1912, foi igualmente retratado pelos contemporâneos como consagração comovedora e sem precedentes.
Nada, no fundo, anunciava essa glória intensa, a popularidade maior que a do velho Visconde, seu pai e antigo Presidente do Conselho, naquele que havia sido discreto estudante de Direito, promotor inconstante, fugaz professor de História e Geografia do Brasil do Colégio Pedro II, deputado sem distinção nem entusiasmo, apagado funcionário consular em Liverpool.
É interessante, a esse respeito, o contraste entre o Barão e seus dois grandes contemporâneos, Joaquim Nabuco e Rui Barbosa. Ambos experimentaram o reconhecimento e a fama muito mais cedo, Nabuco como jovem e brilhante deputado e chefe abolicionista, promessa segura de um dia superar o pai a quem dedicou "Um Estadista do Império". Rui, já célebre e festejado durante a monarquia, seria o Ministro da Fazenda do Governo Provisório e o principal criador da Constituição republicana. Coincidentemente, em e outro, em momentos diferentes, apresentaram ao público brasileiro o desconhecido Rio Branco, Rui no consagrador artigo que ocupou toda a primeira página do "Diário de Notícias" de 14 de outubro de 1889, acerca dos capítulos sobre o Brasil da Grande Encyclopédie. Muito tempo mais tarde, o Barão reconhecia em discurso na casa de Rui Barbosa:
"Quando eu era ainda no estrangeiro um ignorado estudante das coisas pátrias e propagandista humilde e muitas vezes anônimo dos progressos da nossa terra e dos feitos honrosos de nossos compatriotas, foi o conselheiro Rui Barbosa quem, no jornal e com seu brilho costumeiro, chamou a atenção para estes meus pobres trabalhos e tornou conhecida entre nós a minha dedicação à pátria"².
Da mesma forma, coube ao amigo Nabuco reapresentá-lo no editorial escrito para o "Jornal do Comércio" de 9 de fevereiro de 1895, onde nota, a fim de festejar o êxito no caso das Missões:
"O Barão do Rio Branco, pode-se dizer, era até ontem muito mais conhecido em nosso país pelo reflexo do nome paterno do que pelo que ele mesmo já tinha feito."
Quis o destino que os três homenageados seguissem trajetos distintos. Na República, Nabuco nunca mais alcançaria na vida pública e no país a influência e o renome que tivera no Império. Não chegou nunca a ser Ministro das Relações Exteriores, apesar do esforço de Rio Branco em convencer Rodrigues Alves de que o grande abolicionista faria um melhor ministro do que ele. Na questão dos limites com a Guiana Inglesa não teve a mesma sorte que favoreceu o colega nos arbitramentos das Missões e do Amapá. O melhor que ficou de Nabuco foi sua pregação social, seus inigualáveis discursos e livros. O que veio depois, a partir de 1902, apesar do brilho diplomático da atuação em Londres e Washington, deixa a impressão de um finale em tom menor, de um doce crepúsculo.
Rui Barbosa, por seu lado, nunca adormeceu o temperamento de lutador e a permanente disponibilidade para o sacrifício pelas causas nobres. Como lembrou Oswald de Andrade no belíssimo e curto discurso publicado na Obra Seleta de Rui Barbosa sob o título "Rui e a Árvore da Liberdade", Rui esteve sempre pronto, como a semente do Evangelho, a morrer pelo dia seguinte do Brasil³. Candidato perene a purificar e melhorar as instituições e os costumes públicos, Rui foi continuamente repelido pelo poder que desejava reformar, convertendo-se no símbolo mais puro do profeta em nossa História, voz que desperta as consciências mas fadada à incompreensão e à derrota, o grande perdedor pelo Brasil.
Em contraste, a trajetória do Barão, após um começo obscuro e vacilante, seguiu, sem contratempos nem recuos, uma linha ascendente límpida e invariável. Como disse Constâncio Alves:
"Ele saiu da penumbra para a glória, como um rio que, depois de um curso subterrâneo, inesperadamente desenrolasse à luz do sol uma corrente já majestosa."
Na ascensão gradual mas segura e sem recaídas, no final en beauté, a morte no seu gabinete de trabalho, ainda ministro, ele se assemelha mais a outro grande sobrevivente do Império: Rodrigues Alves, falecido anos depois de uma presidência vitoriosa, às vésperas de tomar posse do segundo mandato presidencial para o qual havia sido eleito.
É tempo, pois, de indagar por que as coisas se passaram dessa forma e não de outra, qual a mistura de "virtú" e de "fortuna" que ajudam a entender o êxito tardio mas duradouro dessa vida cujo início, século e meio atrás, queremos celebrar.
Notas:
¹ Manuel de Oliveira Lima, O Barão do Rio Branco, in Obra Seleta, Ed. Instituto Nacional do Livro, 1a. ed., p. 299; Rio de Janeiro.
² Original no Arquivo do Itamaraty, apud Alvaro Lins, Rio Branco, 2a. ed., p.132.
³ In Obra Seleta de Rui Barbosa, Ed. Aguilar.


*Rubens Ricupero é diplomata de carreira desde 1961, exerceu, dentre outras, as funções de assessor internacional do presidente eleito Tancredo Neves (1984/1985); assessor especial do Presidente da República (governo José Sarney) (1985/1987); representante permanente do Brasil junto aos órgãos da ONU sediados em Genebra (1987-1991); e embaixador nos Estados Unidos(1991-1993). Foi ministro da Fazenda de 30 de março a 6 de setembro de 1994, durante o período de implantação do Plano Real.

quinta-feira, junho 21, 2007

19) Reescrevendo o passado soviéetico: novos livros de história

Parece que é difícil a vida de quem pretende escrever livros de história na nova Rússia. Depois da abertura dos anos 1990, uma regressão pode ser detectada no país. Abaixo, transcrevo matéria do jornal francês Le Figaro:

Ces manuels d'histoire contemporaine qui n'arrêtent pas de changer
De notre envoyée spéciale à Moscou
Laure Mandeville
Le Figaro, le 02 août 2007

Le président Poutine veut de nouveaux livres d'enseignement « qui rendent les jeunes fiers de leur pays ».

DES MANUELS scolaires, Igor Doloutski en a écrit sept en douze ans. Sept rééditions d'un premier jet sorti en 1989, dans l'euphorie de la révolution démocratique russe. À l'époque, ce professeur d'histoire de collège à l'allure d'éternel adolescent, croyait dur comme fer à l'avènement de la démocratie russe et à la vérité historique. Né en 1954 à Port-Arthur d'un père militaire soviétique, il s'était fait remarquer dès le début des années 1970 par son esprit rebelle, en lançant un journal étudiant, Mamlet, qui dénonçait « ce qu'il y avait de pourri au royaume des mammouths ».

En pleine stagnation brejnévienne, l'université Lomonossov avait expulsé ce « mauvais esprit ». C'est donc avec grand espoir que le rebelle Doloutski avait accueilli la perestroïka dans les années 1980. Jetant aux orties l'histoire marxiste-léniniste, il s'était lancé dans l'aventure de l'écriture d'une nouvelle Histoire russe.

Le résultat était étonnant d'engagement impertinent et de pédagogie novatrice. Igor Doloutski y racontait l'occupation « moyenâgeuse des pays Baltes ». « Comprends-tu mieux à présent le sentiment des Lettons, des Estoniens, des Lituaniens et des Polonais vis-à-vis des Russes ? », pouvait-on y lire, dans un paragraphe réservé à la réflexion autonome des élèves. Dans la version du manuel parue en 1998, il ajouta un chapitre sur la première guerre de Tchétchénie, « une honte pour la Russie ».

Recommandation ministérielle

Jusqu'en 2003 curieusement, personne ne vint lui chercher noise, malgré l'arrivée aux affaires de Vladimir Poutine et le déclenchement d'une nouvelle guerre russo-tchétchène. Mais un beau jour, une commission du ministère de l'Éducation mit le nez dans le manuel version 2001 et y découvrit avec horreur deux citations du politicien libéral Grigori Iavlinski, qui soulignait que la Russie risquait d'évoluer vers un « régime autoritaire ». « Penses-tu que Iavlinski a eu raison de penser cela ? », interrogeait le manuel iconoclaste. Un mois plus tard, le livre de Doloutski perdait la recommandation que le ministère accorde chaque année à une dizaine de manuels scolaires.

« Notre État ne peut pas écrire l'histoire de ses crimes »

Puis en 2004, le ministère remarqua le chapitre consacré à l'occupation balte et annonça l'interdiction du manuel. « Je l'utilise toujours dans mes cours, comme 10 % du corps enseignant, tandis que 8 % continuent d'utiliser des manuels soviétiques », affirme Doloutski en souriant. Le reste des professeurs a basculé sur les manuels mis en circulation sous Poutine, qui mentionnent les crimes du communisme, mais de manière quelque peu édulcorée. « On en revient à une histoire dominée par l'État. Comme notre État fonctionne hors du cadre du droit, il ne peut pas écrire l'histoire de ses crimes. Alors il les occulte en parlant de victoires », regrette Doloutski.

Rencontrant récemment des spécialistes de sciences humaines, Vladimir Poutine a cloué au pilori « tous ces manuels écrits par des historiens avec des bourses étrangères », accusant leurs auteurs « d'avoir dansé au son de la polka » de sponsors occidentaux. « Nous avons besoin de nouveaux manuels, qui rendent les jeunes fiers de leur pays », a dit le président. Leonid Poliakov, ancien professeur de marxisme-léninisme choisi pour écrire un nouveau manuel, a promis d'oeuvrer à « l'éducation national-patriotique » des élèves.

Dans son collège de banlieue, Igor Doloutski continue de développer l'esprit critique de ses élèves. Mais il est pessimiste. Il y a quelques jours, la forte en thème de la classe a présenté un exposé sur la politique étrangère de Poutine. Reprenant ce que « martèle la télévision chaque jour, elle a expliqué que la Russie était entourée d'ennemis, s'inquiète le professeur. Je lui ai demandé des exemples. Elle n'en a pas trouvé. Mais que se passera-t-il quand plus personne ne la contredira ? »

segunda-feira, junho 18, 2007

18) Um livro para canibais...

Nova edição do livro de Hans Staden
Duas viagens de 1557

Hans Staden: Warhaftige Historia. Zwei Reisen nach Brasilien, (1548-1555) / Historia de duas viagens ao Brasil, kritische Ausgabe / edição crítica: Franz Obermeier, Kiel: Westensee-Verlag, 2007.

ISBN: 978393136870X Price: 59,-Euro

Hans Staden's travel book is the first book about Brazil to be published in Europe in 1557. With its ethnological contents in the second part and a developped iconography mainly depicting Tupinamba anthropophagy it is a major source for 16th century Brazil.

The new edition gives a facsimile of the original from 1557, a Portuguese translation with introduction and a commentary and a new German version.

To order contact:
WESTENSEE-VERLAG, Dorfstr. 57, D-24802 Groß Vollstedt
order@westensee-verlag.de
Tel. 04305/1565

No Brasil o livro pode comprar-se no Instituto Martius-Staden.

Contact to the author.

segunda-feira, junho 11, 2007

17) Meus cadernos de leitura (1971-1983)

"Exilado" na Bélgica, a partir de 1971, comecei a tomar notas de minhas leituras em cadernos especialmente adquiridos com esse objetivo. Divididos tematicamente, eles compilam pequenos resumos, transcrições parciais, avaliações críticas sobre os livros que considerei mais relevantes. Nem todos me pertenciam, ao contrário: as notas foram feitas, justamente, porque a maior parte eram leituras de biblioteca. Essas notas me serviram até o momento de redigir minha tese de doutoramente e por isso, a maior parte das "resenhas" se estende apenas até 1983, aproximadamente.
Estamos falando aqui de uma era pré-computador e até pré-máquina de escrever.
Abaixo, uma seleção dessas leituras, com lacunas intermediárias correspondendo a livros menos importantes.

Relação temática de obras anotadas
(9 cadernos de notas de leitura; Transcrição parcial)

Caderno 1: Antropologia
1. Meillassoux, Claude: Anthropologie Economique des Gouro de Côte d’Ivoire (Paris: Mouton, 1964) [leitura e notas: dezembro 1971]
4. Terray, Emmanuel: Le Marxisme Devant les Sociétés Primitives (Paris: F. Maspéro, 1969) [dezembro 1971]
6. Dalton, George and Bohannan, Paul: Markets in Africa (Evanston: Northwestern University Press, 1962; Introduction, pp. 1-26) [dezembro 1971]
7. Godelier, Maurice: Rationalité et Irrationalité en Économie (Paris: F. Maspéro, 1971) [janeiro 1972]
22. Vansina, Jean: Le Royaume Kuba (Tervuren: Musée Royal de l’Afrique Centrale, 1964)
24. de Heusch, Luc: Le Rwanda et la Civilisation Inter-Lacustre (Bruxelles: Institut de sociologie, 1966) [Junho 1973]
27. Dumont, Louis: Homo Hierarchicus: essai sur le système de castes (Paris: Gallimard, 1970, 446 pp.) [Junho 1973]
33. Desroche, Henri: Socialismes et Sociologie Religieuse (Paris: Cujas, 1965)
36. Lévi-Strauss, Claude: Tristes Tropiques (Paris: Plon, 1955)
37. Prado Jr., Caio: Estruturalismo de Lévi-Strauss; Marxismo de Althusser (SãoPaulo: Brasiliense, 1971, 108 pp.)
40. Forde, Daryll and Douglas, Mary: “Primitive Economics” in Dalton, George (ed): Tribal and Peasant Economics: readings in economic anthropology (Garden City, N.Y.: The Natural History Press, 1967)
42. Bohannan, Paul and Laura: Tiv Economy (Evanston: Northwestern University Press, 1968) [dezembro 1972]
43. Radcliffe-Brown, A.R. et Forde, Daryll (eds): Systèmes Familiaux et Matrimoniaux en Afrique (Paris: Presses Universitaires de France, 1953)
45. Gurvitch, Georges: Le concept de Classes Sociales (Paris: Centre de Documentation Universitaire, 1954)

Caderno 2: Marxismo
1. Marx, Karl: La Question Juive (1843) (Paris: Union Générale d’Éditions, 1971) [03.72]
2. Marx, Karl: Contribution à la Critique de la Philosophie du Droit de Hegel (1843) (Paris: Aubier-Montaigne, 1971) [abril 1972]
4. Marx, Karl: Critique de la Philosophie de l’État de Hegel (1841-42) (Paris: Alfred Costes Éditeur, 1948; trad. J. Molitor; in Oeuvres Complètes de Karl Marx, IV) [junho 1972]
5. Marcuse, Herbert: Reason and Revolution: Hegel and the rise of social theory (New York: Oxford University Press, 1941, 432 pp) [Göteborg, setembro 1972]
7. Marcuse, Herbert: Raison et Révolution: Hegel et la naissance de la théorie sociale (Paris: Les Éditions de Minuit, 1968; trad. Robert Castel) [Bruxelas: outubro 1972]
8. Marcuse, Herbert: Ragione e Rivoluzione: Hegel e il sorgere de la “teoria sociale” (Bologna: Il Mulino, 1966) [Milão: 1974]
9. Marcuse, Herbert: Razão e Revolução: Hegel e o Advento da Teoria Social (2a. ed.; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978; trad. Marília Barroso) [Brasília: julho 1985]
10. Lukacs, Georg: Histoire et Conscience de Classe (Paris: Les Éditions de Minuit, 1960; trad. Kostas Axelos et Jacqueline Bois) [Bruxelas: 1972]
11. Sereni, Emilio; “Da Marx a Lenin: la categoria di formazione economico-sociale”, Critica Marxista (n° 4, 1970, pp. 29-79)
14. “Godelier, Maurice: “Come definire una formazione economico-sociale ? L’esempio degli Inca”, Critica Marxista (n° 10, n° 1, gennaio-febbraio 1972, pp. 81-89)
17. Parain, Ch.: “Comment caractériser un mode de production?”, La Pensée (137, 1967)
18. Goussault, Yves: “Modes de production et développement des formations agraires”, Tiers Monde (XVII, n° 52, octobre-décembre 1972) [leitura: Bruxelas: 1973]

Caderno 3: Problemas Agrários e Campesinato
1. Shanin, Theodor (ed): Peasants and Peasant Societies, selected readings (Middlesex: Penguin Books, 1971, 448 pp.) [leitura e notas: outubro 1973]
2. James, Preston E.: “Brazilian Agricultural Development” in Kuznets, Simon; Moore,Wilbert E.; Spengler, Joseph J.: Economic Growth: Brazil, India, Japan (Durham, N. C.: Duke University Press, 1955), pp. 78-101 [leitura e notas: 28.10.73]
3. Nicholls, William H.: “The transformation of Agriculture in a Presently semi-industrialized country: the case of Brazil” in Erik Thorbecke (ed), The Role of Agriculture in Economic Development (New York: Columbia University Press, 1969) [11-12.11.73]
4. Landsberger,, Henry A. (ed): Latin American Peasant Movements (Ithaca and London: Cornell University Press, 1969) [American Library of Brussels: 12.11.73]
6. Facó, Rui: Cangaceiros e Fanáticos: gênese e lutas (3a. ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972) [leitura: novembro 1973; notas: dezembro 1973/março 1974]
7. Engels, Friedrich: La Guerre des Paysans (Paris: Alfred Costes, 1936, pp. 163-331; avec La Campagne Constitutionnelle en Allemagne; trad.: Bracke) [notas: março/abril 1974]
8. Hobsbawn, Eric J.: Les Primitifs de la révolte dans l’Europe Moderne (Primitive Rebels) (Paris: Fayard, 1966; trad. Reginald Laars) [leitura e notas: abril 1974]
9. Chilcote, Ronald H. (ed): Protest and Resistance in Angola and Brazil: comparative studies (Berkeley: University of California Press, 1972) [leitura e notas: 7-9 maio 1974]
11. Oberg, Lalervo: “The marginal peasant in Rural Brazil”, American Anthropologist (vol. 67, 1965, pp. 1417-1427) [notas: 1972-73; releitura: 16.02.87]
12. Normano, J. F.: Brazil: a study of economic types (Chapell Hill: The Univeersity of North Carolina Press, 1935, xii+254 pp) [notas: 1973-74]

Caderno 4: História/Sociologia
1. Barraclough, Geoffrey: Une Introduction à l’Histoire Contemporaine (Paris: Stock, 1967; trad. de Introduction to Contemporary History, para Anne Laurens) [notas: maio 1972]
2. Neumann, Franz: The Democratic and the Authoritarian State: essays in a political and legal theory (Glenco, Ill.: The Free Press, 1957) [notas: dezembro 1972/janeiro 1973]
3. Gerth, H.H. and Wright Mills, C.: From Max Weber: essays in sociology (New York: Oxford University Press, 1946) [leitura e notas: dezembro 1972
5. Genovese, Eugene D.: Économie Politique de l’Esclavage (Paris: François Maspero, 1968) [leitura e notas: novembro 1974]
8. Gurfield, Mitchell: Class structure and Political Power in COlonial Brazil: an interpretative essay in historical sociology ([New York:] New School for Social Research, Ph. D. 1975) [leitura e notas: 13 e 14 de julho de 1981]
10. Lucchini, Riccard: Sociologie du Fascisme (Fribourg: Editions Universitaires, 1973) [leitura e notas: 23 julho 1981]
12. Dreifuss, René Armand, 1964: A Conquista do Estado: ação política, poder e golpe de classe (Petrópolis: Ed. Vozes, 1981); original em inglês: tese Glasgow University [leitura e notas: fins de julho-3 agosto 1981]
14. Ponteil, Felix: Les Classes Bourgeoises et l’Avènement de la Démocratie, 1815-1914 (Paris: Albin Michel, 1968) [notas detalhadas (pp. 86 a109): 28.01 a 10.02.82]
15. Fernandes, Florestan: A Revolução Burguesa no Brasil (2a. ed., Rio de Janeiro; Zahar, 1976) [notas: caps 1 a 6 neste caderno; concluídas no caderno 6; 22.04.82]

Caderno 5: Brasil 1
2. Jaguaribe, Hélio: Problemas do Desenvolvimento Latino-Americano: Estudos de Política (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967), [novembro 1972].
3. Jaguaribe, Hélio: Desenvolvimento Econômico e Desenvolvimento Político (Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969), [novembro 1972].
4. Furtado, Celso (org), “Brésil, Temps Modernes”, Les Temps Modernes (octobre 1967), diversos artigos; [novembro 1972].
7. Ianni, Octavio: O Colapso do Populismo no Brasil (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968); [novembro 1972].
8. Ianni, Octavio: Estado e Planejamento Econômico no Brasil, 1930-1970 (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971); [novembro 1972].
9. Ribeiro, Darcy: Propuestas acerca del subdesarrollo: Brasil como problema (Montevideo: Libros de la Pupila, 1969); [dezembro 1972]
10. Brandão Lopes, Juarez Rubens: Desenvolvimento e Mudança Social: formação da sociedade urbano-industrial no Brasil (São Paulo: Nacional/EDUSP, 1968) [12.1972]
12. Rodrigues, José Honório: Conciliação e Reforma no Brasil: um desafio histórico-político (Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965); [leitura e notas: 3-5.01.73].
13. Prado Jr. Caio: Evolução Política do Brasil e outros estudos (4a. ed., São Paulo: Brasiliense, 1963) [primeira quinzena de janeiro de 1973].
14. Furtado, Celso: Dialética do Desenvolvimento (Rio de Janeiro: Ed. Fundo de Cultura, 1964) [primeira leitura: 1966; leituras e notas: dezembro 1972]
16. Brandão Lopes, Juarez Rubens: Sociedade Industrial no Brasil (São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1964) [leitura e notas: janeiro 1973]
18. Denis, Pierre: Le Brésil au XXe. siècle (Paris: Librairie Armand Colin, 1928; 1a. éd: 1909, 312 pp.); [31 julho 1973]
22. Baklanoff, Eric N.: “External Factors in the Economic Development of Brazil’s Heartland: the Center-South, 1850-1930” in Baklanoff, Eric N. (ed), The Shaping of Modern Brazil (Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1969, pp. 19-35) [l11.73]
24. Rodrigues, José A.: Sindicato e Desenvolvimento no Brasil (São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968, 216 p.) [leitura e notas: dezembro 1973/janeiro 1974]
26. Furtado, Celso: “O modelo brasileiro”, Argumento (n° 3, janeiro 1974, pp. 25-35) [leitura e notas: 18 fevereiro 1974]

Caderno 6: Brasil 2
1. Cadernos CEBRAP 16: Crescimento Populacional (histórico e atual) e componentes do crescimento (fecundidade e migrações) (São Paulo; CEBRAP, 1974) [notas: 26.05.74]
2. Cadernos CEBRAP 15: Composição da População Brasileira (São Paulo: CEBRAP, 1973)
3. Cardoso, Fernando Henrique: “O ‘modelo brasileiro’ de desenvolvimento”, Debate e Crítica (n° 1, julho-dezembro 1973, pp. 18-47) [outubro 1974]
4. Bresser Pereira, Luiz Carlos: Desenvolvimento e Crise no Brasil (São Paulo: Ed. Brasiliense, 1970, 214 pp.: 1a. ed: 1969) [leitura, notas: julho-dezembro 1975]
7. Fernandes, Florestan: A Revolução Burguesa no Brasil (7° e último capítulo) [releitura e notas: 22 abril a 2 de maio 1982]
9. Dulles, John W. F.: Brazilian Communism, 1935-1945: Repression during World Upheaval (Austin: University of Texas Press, 1983, 289 p.) [maio 1985]

Caderno 7: Brasil 3
1. Simonsen, Mario Henrique e Campos, Roberto de Oliveira: A nova economia brasileira (Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1974) [leitura e notas: 4 fevereiro 1975]
3. Vieira Pinto, Alvaro: Ideologia e Desenvolvimento Nacional (4a. ed., Rio de Janeiro: ISEB, 1960; 1a. ed.: 1956, 56 pp.) [5 fevereiro 1975]
4. Skidmore, Thomas E.: Politics in Brazil, 1930-1964: an experiment in democracy (New York: Oxford University Press, 1967) [fevereiro-março 1975]
5. Bernard, Jean-Pierre et alii: Tableau des Partis Politiques en Amérique du Sud (Paris: Armand Colin, 1969; Fondation Nationale des Sciences Politiques, cahiers 171) “Brésil”, Silas Cerqueira, pp. 105-156 [30-31 janeiro 1976]
9. Stepan, Alfred (ed): Authoritarian Brazil: origins, policies and future (New Haven: Yale University Press, 1973) [MRE: 1982]
10. Fiechter, Georges-André: Le Régime ‘Modernisateur’ du Brésil, 1964-1972 (Leyden: A.W. Sijthoff, 1972) [MRE: 1982]
11. Freire, Felisbelo (1858-1916): História Constitucional da República dos Estados Unidos do Brasil, tomo I (Brasília: Ed. da UnB, 1983) [leitura: agosto-setembro 1985]
17. Melo Franco, Afonso Arinos: Algumas Instituições Políticas no Brasil e nos Estados Unidos (Rio de Janeiro: Forense, 1975) [16.02.87, MRE]
20. Furtado, Celso: A Economia Brasileira; contribuição à análise de seu desenvolvimento (Rio de Janeiro: Editora A Noite, 1954) [notas: Porto Alegre: 25.12.90]
21. Stepan, Alfred: The Military in Politics: changing patterns in Brazil (Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1971, 311 pp.) [leitura e notas avulsas: meados 1975]
22. Revista Conjuntura Econômica:
Ano II, n° 4, abril 1948: Estudo especial: “A Conjuntura no Brasil desde 1822”
Ano II, n° 5, maio 1948: Estudo especial: “Os ciclos na economia brasileira, 1822-1947”
Ano II, n° 8, agosto 1948: Estudo especial: “A Situação monetária internacional e a paridade do cruzeiro” [Leitura e Notas: Porto Alegre, 25.12.90]
23. Almeida, Paulo Roberto de, Idéologie et Politique dans le Développement Brésilien, 1945-1964 (Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, mémoire de licence, 1976, mimeo) [resumo e notas em português: Montevidéu: 30.12.90]

Caderno 8: História Social
1. Carone, Edgard: A República Velha, instituições e classes sociais (São Paulo: Difel, 1970) [leitura e notas: 22-23 janeiro 1979]
2. Linhares, Herminio: Contribuição à História das Lutas Operárias no Brasil (2a. ed., São Paulo: Alfa-Omega, 1977) [30-31 janeiro 1979]
3. John W. F. Dulles: Anarquistas e Comunistas no Brasil, 1900-1935 (Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1977, trad. Cesar Parreiras Horta) [22.03 a 08.04.79]
4. Pinheiro, Paulo Sérgio de M. S.: Política e Trabalho no Brasil, dos anos vinte a 1930 (Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975) [leitura e notas: 12-14 abril 1979]
5. Fausto, Boris: Trabalho Urbano e Conflito Social, 1890-1920 (São Paulo: Difel, 1976) [leitura e notas: 17 abril-1° de maio 1979]
6. Gay da Cunha, José: Um Brasileiro na Guerra Espanhola (Porto Alegre: Globo, 1946) [leitura e notas: 20-24 junho 1979]
7. Thomas, Hugh: The Spanish Civil War (3rd ed;, enlarged; Harmondswort: Penguin, 1977) [agosto/setembro 1979]
8. Maram, Sheldon Leslie: Anarquistas, Imigrantes e o Movimento Operário Brasileiro, 1890-1920 (Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979; trad. José Eduardo R. Moretzsohn) [setembro 1979]

Caderno 9: Resenhas de Livros/Notas Bibliográficas
1. Boorstin, Daniel, J. The discoverers (New York: Random House, 1983)
3. Gellner, Ernst: Nations and Nationalism (Ithaca: Cornell University Press, 1983)
15. Jaguaribe, Hélio: Desenvolvimento Político (São Paulo: Perspectiva, 1975)
21. Berlin, Isahiah: Against the Current (London: Oxford University Press, 1969)
27. Braudel, Fernand: Aftertoughts on Material Civilization and Capitalism (Baltimore: The Johns Hopkins Press, 1979)
34. Frank, André Gunder: World Accumulation, 1492-1789 (New York: Monthly Review Press, 1978)
36. Robert, John: Revolution and Improvement, the Western World, 1775-1847 (London: Weidenfeld and Nicholson, 1976)
41. Sombart, Werner: El Apogeo del Capitalismo (Mexico: Fondo de Cultura, 1946, 2 vols)
45. Arendt, Hannah: On Revolutions (Harmondsworth: Penguin, 1979)
53. Topik, Steven: “State autonomy in Economic Policy: Brazil’s experience, 1822-1930”,, Journal of Interamerican Studies and World Affairs (26, 4, november 1984, 449-476) [leitura: Biblioteca da Câmara dos Deputados, maio de 1985]
74. Veliz, Claudio: The Centralist Tradition in Latin America (Princeton: Princeton University Press, 1980)
76. Jessop, Bob: Social Order, Reform or Revolution (London: Macmillan, 1972) [Zurich: 1982: SozialArchiv]
80. Vallier, Ivan (ed): Comparative Methods in Sociology:: essays on trends and applications (Berkeley: University of California Press, 1971) [MRE: julho 1985]
83. Braudel, Fernand (ed), Conjoncture Économique, Structures Sociales: hommage à Ernest Labrousse (Paris/La Haye: Mouton, 1974) [Bibliothèque de l’Alliance Française, Belgrado, 1983]
86. Roberts, Geoffrey K.: What is Comparative Politics? (London: Macmillan, 1972) [MRE: 7-8.04.86]
94. Atkins, G. Pope: Latin America in the International Political System (New York: The Free Press, 1977)
106. Struve, Walter: Elites against Democracy: leadership ideals in Bourgeois Political Thought in Germany, 1890-1933 (Princeton, N.J.: Princeton University Press, 1973)
109. Marseille, Jacques: Empire Colonial et Capitalisme Français: histoire d’un divorce (Paris: Albin Michel, 1984)


[Transcrição efetuada em Paris: 16.12.94]